Fazer e cumprir promessas - FranklinCoveyFranklinCovey
photo-montage-1768408_960_720
Como unir pessoas em visão e valores compartilhados quando elas são tão diferentes?
19 de junho de 2017
agreement-2365811_960_720
Pensar Ganha-Ganha ou Nada Feito
28 de junho de 2017
Mostrar tudo

Fazer e cumprir promessas

beard-2365810_960_720

Nada destrói a confiança mais rápido do que fazer uma promessa e não cumpri-la. Por outro lado, nada gera e fortalece a confiança como cumprir as promessas que fazemos.

É muito fácil prometer algo. Em geral isso satisfaz rapidamente a outra pessoa – especialmente quando ela está estressada ou ansiosa sobre o que precisa que resolvamos. Quando ficam felizes com a promessa, gostam de nós. E nós gostamos de que gostem de nós.

Acreditamos mais facilmente no que mais desejamos. Pessoas de todo tipo são envolvidas em negócios e acordos porque querem algo de tal modo que acreditam quase que em qualquer explicação, história ou promessa que lhes assegure isso. Dão ouvidos moucos a qualquer informação negativa e continuam acreditando no que querem acreditar.

Mas cumprir promessas é difícil. Geralmente envolve um doloroso processo de sacrifícios – especialmente quando passa o momento agradável de fazer a promessa ou quando as realidades ficam claras ou as circunstâncias mudam.

Condicionei-me a nunca (“nunca diga nunca”) usar a palavra promessa a menos que esteja completamente preparado para pagar qualquer preço para cumpri-la, especialmente em relação a meus filhos. Eles muitas vezes imploravam que eu “prometesse”. Então eles ficavam tranquilos sabendo que eu iria cumprir- especialmente se obtivessem o que desejavam logo. Mas muitas vezes eu ficava tentado a dizer “prometo” só para acalmá-los e ter paz na hora. “Vou tentar”, “é meu objetivo “ou “espero fazê-lo” não bastavam. Somente “prometo”.

Ocasionalmente, quando as circunstâncias fora de meu alcance mudavam, eu pedia a meus filhos que entendessem e me dispensassem da promessa. Na maioria dos casos eles entendiam e dispensavam. Mas os menores em geral não entendiam. Mesmo que eles dissessem que entendiam e me liberassem do compromisso intelectualmente, não o faziam emocionalmente. De modo que cumpro as promessas a menos que seja muito pouco sensato fazê-lo. Nesses casos tenho que conviver temporariamente com uma diminuição da confiança e tentar reconquistá-la lentamente de outros modos.

Deixe um comentário e compartilhe!