Ser Líder de Si Mesmo - FranklinCoveyFranklinCovey
luciano-meira
Luciano Meira – Vice-Presidente FranklinCovey Brasil, no Comitê de Recursos Humanos da AMCHAM
1 de outubro de 2014
Mostrar tudo

Ser Líder de Si Mesmo

lider-de-si-mesmo

Um desafio de carreira que vale a pena assumir.
Por Marisa Godoi


Um tema que hoje está na pauta das agendas das organizações é a identificação de fatores que melhor explicam a produtividade dos colaboradores e suas motivações para o trabalho. O resultado é claro: as pessoas percebem seu potencial pleno somente quando são capazes de utilizar seus principais talentos diariamente. A excelência do desempenho somente é encontrada quando as pessoas se encontram em papéis que combinam e integram com o que elas naturalmente fazem bem – seus talentos. Sua empresa está preparada para enfrentar esse desafio?

Os colaboradores estão percebendo que dentre todos os papéis que possuem na vida, de pai/mãe, filho, marido/esposa, irmão/irmã, amigo…etc, o papel de profissional tem tomado uma dimensão desproporcional e algumas vezes fora do controle. É nesse contexto que grandes talentos identificados pelas empresas optam por outras opções de carreira e todo o investimento feito durante anos nesses talentos são perdidos.

O aumento da longevidade traz benefícios, mas também muitos desafios. É fato, vive-se cada vez mais.  Para a maioria das pessoas o impacto disto é trabalhar por mais tempo, já que isto irá exigir estarmos por mais tempo economicamente ativos.

Nesta perspectiva, fazer escolhas inteligentes de carreira passa a  ser um dos principais focos dos colaboradores.
Se as empresas estão buscando aumentar o nível de comprometimento no trabalho, elas deverão focar com muito critério as exigências psicológicas e espirituais dos colaboradores e compreender que estas exigências são supridas somente através da realização do crescimento pessoal onde eles encontram significado e sentem que fazem a diferença em seu trabalho.
Colaboradores, por outro lado, precisam ter consciência que parte do processo depende deles, ou seja, investir mais tempo para encontrar seu propósito de vida. Identificar seus talentos naturais, o que realmente fazem bem, naturalmente. Vamos entender como podemos identificá-los mais adiante.
Infelizmente, nossa vida está em um ritmo tão acelerado, que como disse o rabino Nilton Bonder precisamos fazer pausas  “Mas as paradas estão por toda a caminhada e por todo o processo.   Sem acostamento,  a vida parece fluir mais rápida e eficiente,  mas ao custo fóbico de uma paisagem que passa.  O futuro é tão rápido que se confunde com o presente”.

Mas como identificar nossos talentos?

Segundo o Instituto Gallup dos Estados Unidos, que vem estudando comportamento humano a mais de 50 anos com cientistas sociais e possui uma poderosa ferramenta de assessment para pessoas identificar seus talentos dominantes, talento é seu jeito natural de ser, pensar, se relacionar ou se comportar. Ao entendermos isto, nós percebemos por que a maioria das pessoas tem dificuldade de identificar quais são os seus talentos, o que realmente a destaca na multidão, por que é algo tão seu, natural, que a pessoa tem dificuldade de perceber. É como perguntar ao peixe se ele tem noção que está molhado.
A principal responsabilidade de cada colaborador é o profundo exercício da auto percepção e compartilhar essa auto percepção com todos a sua volta. Se a pessoa não souber quais são seus talentos, bem como suas necessidades e tendências naturais, não conseguirá administrar construtivamente sua vida profissional.  É fantasioso esperar que a área de Recursos Humanos e gestores compreendam seus colaboradores tão bem para tomar decisões validas por eles. As pessoas precisam aprender a administrar suas próprias carreiras … suas vidas!
Lamentavelmente, ainda temos muitas pessoas na dependência do outro. Dependência significa acreditar que o outro cuida de mim, o outro toma as decisões e faz as escolhas por mim. Há muitos colaboradores, que, embora em grande sofrimento pessoal com esta questão, estão literalmente de braços cruzados, esperando que o seu gestor imediato ou a área de Recursos Humanos faça seu plano de carreira e seu plano de desenvolvimento para suas vidas. Se você é uma dessas pessoas, aí vai um conselho, fique confortavelmente sentado por que vai esperar muito e, mais um conselho, ore para dar certo.
As pessoas precisam tomar as rédeas de suas vidas, aprender como aprender mais a seu próprio respeito. Amplie seu autoconhecimento mediante novas oportunidades de observar a si mesmo e tirar conclusões do que observa. Conhecer a si mesmo é uma tarefa para toda a vida. Adquira o hábito de analisar suas reações a toda e qualquer experiência nova para conhecer seus talentos. Como diz Augusto Curi, escritor e educador “faça mesa redonda com seu eu”.
Ao pensar nas prováveis futuras mudanças profissionais, reflita se serão coerentes com seu propósito de vida, seus valores, seus talentos naturais. Você tem necessidade de estudos complementares ou desenvolvimento de competências? Há determinado movimento a ser evitado? Quais são suas restrições de carreiras?
Compartilhe suas necessidades. Quem deve estar a par das conclusões que você chegou a seu próprio respeito? Há pessoas na sua organização com quem você deva compartilhar alguns dos seus insigths e conclusões para que possam melhor ajuda-lo a planejar sua carreira? Você e os membros de sua família necessitam discutir essas questões para chegarem a um plano de vida melhor em todos os sentidos?
Acorde, ainda há tempo, você vai viver muito mais do que pensa. Reflita sobre os anos que ainda tem pela frente. Não vale a pena buscar uma carreira que ressoe a sua alma?
Pense nisto!
Ao refletir profundamente sobre você, procure as seguintes respostas:
·Identificar seus talentos únicos e dominantes;
·Entender como seus talentos se manifestam no seu local de trabalho;
· Como transformar um talento em fortaleza;
·Como utilizar suas fortalezas para produzir resultados excepcionais e alcançar suas metas;
·Expandir parcerias com outras pessoas focadas na complementariedade de fortalezas.


Segundo pesquisas do Instituto Gallup:
 

 

Deixe um comentário e compartilhe!