Close up of a men's quadruple skulls rowing team, seconds after the start of their race
O que aprendemos sobre gestão de pessoas ao analisar o remo
17 de agosto de 2016
3passos-encontrar-paz-800x600
3 passos para encontrar paz e produtividade em seu local de trabalho
12 de setembro de 2016
Mostrar tudo

A perseverança é mais do que uma qualidade, é um princípio

8b107da12bcbaabcfcd05352d62458e1

Como toda Figura de Transição sabe, a assimilação requer perseverança, e qualquer mudança que desconsidere esse aspecto fatalmente provocará resultados efêmeros e inconsistentes.

A transição é um processo no qual um sistema é substituído por outro. E, como todo processo, tem seu tempo de maturação, para que as transformações possam ser absorvidas e incorporadas por todos. Nesse contexto, a mudança passa a ser vista como um aspecto da transição, como meio, e não como fim. O objetivo da transição não é simplesmente mudar, mas garantir que as mudanças conduzam à ruptura de hábitos, tradições, mentalidades ou estruturas prejudiciais, obsoletos ou improdutivos, implantando, no lugar disso, um sistema mais benéfico e produtivo. Porém, a consolidação desse novo sistema é gradual – ela só se realiza à medida que as pessoas envolvidas forem assimilando conscientemente o processo de transição. Ao contrário da transição, a mudança muitas vezes pode ser vista como um fim em si mesmo, como uma forma mais rápida de queimar etapas e modificar determinada realidade. Pode ser arbitrária em vez de participativa, e arrastar as pessoas em vez de gerar uma nova consciência. O resultado disso é que as transformações desejadas não são alcançadas – ou são alcançadas, mas não são assimiladas e, com isso, não se consolidam.

Como toda Figura de Transição sabe, a assimilação requer perseverança, e qualquer mudança que desconsidere esse aspecto fatalmente provocará resultados efêmeros e inconsistentes – quando não desastrosos. Muitos de nós já passamos por experiências assim nas vidas pessoal e profissional. Já vimos aquele parente ou amigo que está sempre em dificuldades anunciar, de forma entusiástica, que “agora as coisas vão mudar”. Mas seu entusiasmo é tão intenso quanto passageiro, e a “grande guinada” vira apenas uma intenção frustrada pela ausência da perseverança e do planejamento. Também já vimos aquele novo chefe que chega prometendo mudanças drásticas e começa a colocar a empresa de cabeça para baixo, sem que ninguém entenda exatamente aonde ele quer chegar. Por fim, o caos, que ele chama de fase de transição, acaba se perpetuando, e o chefe é demitido, deixando atrás de si uma situação pior do que aquela que encontrou ao chegar e funcionários cada vez mais desmotivados e céticos quanto à possibilidade de uma mudança real e para melhor.

Talvez a melhor metáfora para a perseverança seja a de um jardineiro cultivando o bambu chinês. Essa espécie de planta pode levar quatro longos anos para se desenvolver. Durante esse período, quem passar pelos canteiros verá apenas pequeninos brotos que parecem nunca crescer. O jardineiro, porém, dia após dia, molha a terra e remove as ervas daninhas. Ele se empenha, persiste e confia. No quarto ano, sua perseverança é recompensada: o broto enfim, se desenvolve e, em pouco tempo, atinge a altura de 24 metros – suas amplas raízes subterrâneas, que cresceram de forma lenta e gradual, porém firme e persistente, lhe dão a sustentação necessária para um desenvolvimento constante e acelerado.

Deixe um comentário e compartilhe!