Faber-Castell - FranklinCoveyFranklinCovey
f-kretly
Paulo Vicente Kretly
16 de fevereiro de 2016
roche-htumb
Roche
19 de fevereiro de 2016
Mostrar tudo

Faber-Castell

fabercastel

Superando Metas com As 4 Disciplinas da Execução

faber-case

Segmento de Manufatura

Desafio: alcançar resultados numa empresa com cultura de mais de 80 anos de Brasil.

Resultados alcançados:
sucessivas superação da Meta Crucialmente Importante em três anos seguidos com as 4DX.

Data: 23/2/2015

Baseado no case apresentado por Marcelo Tabacchi, CEO da Faber-Castell Brasil.

Nós da Faber-Castell tivemos nosso primeiro contato com as 4 Disciplinas em meados de 2008. Nosso grande desafio na época estava em executar nossa estratégia, e passamos a usar esta metodologia como um meio de ajudar nossa organização a ter foco, traduzir este foco em ações das equipes e criar uma prestação de contas em todos os níveis da organização.

Aplicamos o então treinamento das 4 Disciplinas para todos os gestores da Faber-Castell e passamos a usar essa metodologia de modo sistêmico em todas as nossas unidades. Todos os gestores produziram suas MCIs, medidas de direção e placares envolventes, e iniciaram suas reuniões semanais de prestação de contas.

Ao longo de três anos de uso desta metodologia, notamos que o uso lentamente passou de sistêmico para um uso restrito a um grupo bem menor de líderes, que mesmo com as urgências do dia a dia mantinham sua cadência semanal com suas equipes. As demais equipes lentamente deixaram de usar a metodologia das 4 Disciplinas. As MCIs continuavam sendo definidas, o que tornou-se parte da cultura da Faber-Castell. Contudo, a cadência semanal foi substituída por reuniões que tratavam de assuntos absolutamente necessários para manter o negócio em funcionamento, mas sem necessariamente tratar das MCIs. Estas ficaram restritas a um alvo que não era disciplinadamente endereçado em todos os níveis da organização.

Em janeiro de 2012 demos início à segunda onda das 4 Disciplinas da Execução na Faber-Castell não como um treinamento, mas como um grande processo de certificação de gestores e transferência de know-how. Esse processo teve início com a definição de nossa MCI da Faber-Castell em sessões de trabalho que envolveram os campeões do processo na Faber-Castell e os consultores da FranklinCovey. Nossa estratégia de cinco anos foi usada como base para definição do foco de toda a organização no Brasil para os 12 meses seguintes.

Como passo seguinte, os gestores de todas as nossas unidades foram certificados nas 4 Disciplinas, porém sob uma abordagem distinta para implantação. Como parte do processo, os gestores saíram com um conjunto de ações para lançamento e adoção das 4 Disciplinas com datas específicas para lançamento das reuniões de MCI, com monitora- mento semanal dos chamados coaches que, sob orientação de consulto- res da FranklinCovey asseguravam semanalmente que as 4 Disciplinas haviam sido adotadas nos detalhes em cada equipe. Nesta abordagem das 4 Disciplinas como processo, ficou claro o papel exercido por cada líder nas reuniões de MCI, desde minha reunião com meus reportes diretos até as reuniões de chão de fábrica e linhas de frente de toda a Faber-Castell.

Essa etapa do processo pode parecer simples, porém levou 16 semanas para que houvesse uma consistente adoção dos quatro pontos da metodologia de maneira sistêmica. A criação de compromissos no meio das urgências diárias do nosso redemoinho, realizando as reuniões de MCI, foi absolutamente crítica para que pudéssemos falar dos resultados nas medidas de direção e consequentemente nas MCIs de cada equipe.

Após um ano de uso das 4 Disciplinas como um grande processo, identificamos que todos os departamentos consistentemente sabem agora qual a sua meta, e o que cada um na equipe realiza semanalmente para contribuir para sua meta. Houve significativo aumento no nível de satisfação das áreas produtivas, onde o fato de todos se comprometerem a realizar criou um ambiente de pertencimento às equipes para cada membro. As bússolas de trabalho que na primeira onda das 4 Disciplinas foi implementada em papel agora foi substituída por bússolas em formato digital no sistema my4dx, que permitiu maior consistência e visibilidade dos compromissos semanais criados em todos os níveis da organização. Com esta ferramenta, pudemos medir a cada reunião de MCI de diretoria como estava a adoção da metodologia em todos os níveis para todas as unidades. Nossa reunião de MCI de diretoria passou a conter compromissos para assegurar a cada semana onde cada diretor atuaria, com uma a duas coisas mais importantes que teriam o maior impacto para mover os placares. Os placares feitos pelas equipes provaram ser o elo emocional entre cada membro e a MCI da equipe. Placares criados pelas equipes tiveram um efeito muito forte em engajamento. E o alcance das metas passou de ser apenas um resultado histórico para uma forte responsabilização semanal.

Agora estamos entrando no segundo ano de uso da metodologia como um grande processo. Aprendemos que a definição das MCIs deve ser feito com um grande painel de ratificação de todos os gestores em todos os níveis em um único momento. As MCIs podem ser discutidas abertamente, permitindo uma madura discussão e debate sobre a linha de chegada de cada área para contribuição da MCI da Faber-Castell. O conceito de foco não somente por sabermos o que é importante, mas pelo fato de que cada líder tem uma reunião de 20 minutos para assumir compromissos faz parte da cultura de trabalho de toda a empresa. Há novos desafios para o segundo ano, como melhorar as escolhas das MCIs, ajustar as medidas de direção de maneira proativa para que possamos garantir que nossas melhores apostas em novos comportamentos movam consistentemente a meta de cada equipe.

Mas aprendemos que a prestação de contas semanais, em torno de um placar construído por cada equipe, cria senso de disciplina e de realização no meio do redemoinho que só percebemos após a adoção consistente. Temos agora um grande sistema de operação e execução da estratégia, que permite a todos os níveis da organização criar um plano de ação a cada semana. E o plano de ação não é criado pelos líderes. Eles ajudam na liberação de caminho, mas quem cria o plano de ação a cada semana é a linha de frente da organização. E não se pode pensar em executar uma estratégia sem este tipo de envolvimento que as 4 Disciplinas promoveram.

Deixe um comentário e compartilhe!